fbpx

4 Tipos de Desemprego

Você pode achar que o desemprego é uma coisa só, porém, percebemos que existem diversos tipos de desemprego, cada um com a sua característica e solução. Se você quer saber mais sobre os tipos de desemprego existentes, continua a leitura do nosso blog.

Quando se trata de análise econômica buscando entender a capacidade produtiva de uma determinada sociedade, o fator desemprego é um dos fatores mais relevantes. Grosso modo, a alta taxa de desemprego pode indicar uma desaceleração da economia.

Isso também indica que os problemas sociais relacionados à queda do padrão pessoal e da qualidade de vida, ou seja, a queda do bem-estar social das pessoas, estão se agravando. Por isso, é preciso compreender que existem vários tipos de desemprego que assolam o Brasil.

4 Tipos de Desemprego

  • Desemprego friccional
  • Desemprego estrutural
  • Desemprego sazonal
  • Desemprego cíclico

O Centro de Profissionalização e Educação Técnica (CPET) elaborou esse artigo para que possamos entender os tipos de desemprego que existem e, com isso, pensar também em estratégias diferentes e eficazes para combatê-los.

Um dos indicadores que auxiliam os analistas a avaliar a economia é o População Economicamente Ativa (PEA), que mostra a quantidade de adultos ocupados e desempregados que procuram o primeiro emprego. Como dito, as razões para o desemprego podem ser diferentes. Existem pelo menos 4 (quatro) tipos de desemprego, obviamente causados motivos diversos.

Desemprego friccional

O primeiro dos tipos de desemprego é o chamado desemprego friccional (ou desemprego natural), que consiste em indivíduos que estão temporariamente desempregados, seja porque estão mudando de emprego, ou porque foram demitidos, ou porque ainda estão procurando trabalho pela primeira vez.

A razão dessa nomenclatura é que o mercado de trabalho opera em fricção, ao invés de combinar trabalhadores com empregos disponíveis, e sua duração dependerá dos benefícios dos desempregados, como o seguro-desemprego.

Desemprego estrutural

O segundos dos tipos de desemprego é chamado de desemprego estrutural é o resultado de mudanças estruturais na economia, tais como mudanças na tecnologia de produção ou nos padrões de demanda do consumidor (porque mudanças no gosto podem tornar certas ocupações obsoletas).

Em termos de mudança tecnológica, tomemos como exemplo os fabricantes de automóveis que, ao avançarem na automação de sua produção, eliminaram inúmeros trabalhadores que agora são desnecessários devido às capacidades dos robôs.

Em relação à mudança no padrão de demanda do consumidor, pensar na profissão de um velho técnico de conserto de máquinas de escrever – equipamentos absolutamente desatualizados – perderá sua função na era do computador sem a reciclagem profissional.

Existem ainda, ao menos, duas outros tipos de desemprego que veremos na segunda parte desse artigo. Por isso, esperamos que tenham uma boa leitura e reflitam sobre essas questões.

O CPET pretende demonstrar os diversos tipos de desemprego existentes no Brasil e suas causas. Com isso, podemos pensar as formas diferentes de combatê-los.

Uma delas é a educação que permite aperfeiçoar a formação de seus indivíduos e não deixar que novas tecnologias afetem negativamente o mercado de trabalho. Vamos, então, ao terceiro tipo de desemprego.

Desemprego sazonal

O terceiro dos tipos de desemprego é chamado de desemprego sazonal. Esse tipo de desemprego ocorre devido à sazonalidade de certos tipos de atividades econômicas (como agricultura e turismo), o que acaba levando a mudanças na demanda por empregos em diferentes épocas do ano.

Um bom exemplo são os trabalhadores rurais da cana-de-açúcar, que migram de uma região (como o nordeste do Brasil) para outra (como o sudeste) durante a colheita e voltam na entressafra.

Desemprego cíclico

O quarto e último tipo é o desemprego cíclico (desemprego involuntário ou indireto).

Nessas crises econômicas recentes, um dos eventos mais assustadores que destruíram a Europa e os Estados Unidos ocorreu durante uma recessão econômica, o que significou uma contração da produção. A empresa foi obrigada a despedir pessoal para cortar despesas.

Portanto, estar desempregado significa encontrar-se em uma situação em que você não tem contato oficial com nenhuma agência de emprego e nenhuma outra fonte de renda, mas como mencionado acima, os fatores que causam esta situação podem ser diferentes.

Portanto, a título de observação, é importante lembrar que mesmo os trabalhadores urbanos que conseguem sobreviver como vendedores ambulantes não são oficialmente considerados como empregados, mas como integrantes do trabalho e da economia informal por não terem carteira de trabalho assinada. Em breve, eles estarão oficialmente desempregados.

Visto esses tipos de desemprego, podemos pensar as estratégias para combater o desemprego. A educação profissionalizante e técnica são excelentes formas de combater esse mal que atinge a sociedade.

Isso porque elas permitem que o profissional se atualize constantemente e não fique para trás de novas tecnologias. O CPET se compromete com essa formação e considera que a educação é a grande aliada para os avanços sociais e profissionais.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato conosco:

📱 Envie um WhatsApp ► //bit.ly/contatoCPET ou (11) 9 6056-8891

Siga o CPET nas redes sociais:

Curta nossa página no Facebook: //www.facebook.com/tecnicoscpet
Siga nosso perfil no Instagram: //instagram.com/cpet_cursos
Acesse nosso Twitter: //twitter.com/CpetCursos
5 de julho de 2021
PROPRIEDADE E COPYRIGHTS CPET - CENTRO DE PROFISSIONALIZAÇÃO E EDUCAÇÃO TÉCNICA - Desenvolvido por Márcio Barbosa